Dicas de Astronomia Amadora: meu primeiro telescópio.

Querendo iniciar na Astronomia Amadora? Aproveite as dicas do Planetário de Vitória!

Existem, basicamente, dois tipos de telescópios: Os Refratores, que usam várias lentes para fazer a ampliação/aproximação da imagem e os Refletores, que usam um grande (e pesado) espelho côncavo para isso. Na verdade, os telescópios refletores também usam uma pequena lente (às vezes mais) para correção da imagem formada, chamada de ocular. Os grandes telescópios de pesquisa são Refletores.

Diferença ótica entre telescópios refratores e refletores.

Com o espelho, as imagens são menos destorcidas, muito mais nítidas e praticamente não apresentam o fenômeno de aberração cromática (aquelas luzes coloridas que aparecem na imagem que sabemos que não existem daquela forma no objeto observado). Esse fenômeno aparece nas bordas das lentes, naturalmente, assim como um arco-íris se forma quando a luz do sol atravessa gotículas de água. Então quanto mais lentes (Refrator), maior a probabilidade de ver o fenômeno. Também se consegue mais qualidade com um Refletor, pois é mais fácil produzir um espelho grande do que uma lente grande. Isso porque quanto mais luz entra no telescópio, maior qualidade de imagem, e consecutivamente, maior possibilidade de ampliação. Nós do Planetário de Vitória utilizamos telescópios Refletores nas nossas sessões de Vivência com o Telescópio.

Telescópio refletor (espelhos) com montagem equatorial.

  

Telescópio refrator (lentes) com montagem equatorial.

Porém, há um grande problema nos telescópios Refletores: o preço. É claro que existem telescópios Refratores tão caros, ou mais, que os Refletores. Mas, os mais baratos (de boa qualidade) já ultrapassam os R$ 1.000,00 no mercado nacional (jul/2020).

Mas os Refratores têm uma grande vantagem. Como todas as lentes são fixas no bloco ótico durante o processo de fabricação, dificilmente o telescópio perderá sua colimação (alinhamento ótico). Por exemplo, devido ao uso e transporte, nós do Planetário devemos conferir as regulagens dos nossos telescópios pelo menos uma vez por mês.

Telescópio refletor com montagem azimutal (Dobsoniano)

Se puder, compre um com a montagem equatorial, ao invés da azimutal. Com a montagem equatorial é mais fácil acompanhar um astro devido ao movimento de rotação da Terra. Procure também por lojas especializadas. Normalmente elas trabalham com marcas de fácil reposição de peças. Outra dica valiosa: Quanto mais pesado o conjunto do telescópio (tripé + montagem + tubo/bloco ótico), mais estável e consecutivamente melhor de se manusear durante uma observação.

2 respostas para “Dicas de Astronomia Amadora: meu primeiro telescópio.”

  1. Boa noite poderia me tirar uma dúvida
    Entre Celestron StarSense Explorer LT 114AZ Smartphone Telescope e Celestron Explorascope 114AZ f/10 Modified SCT Reflecting Telescope qual e melhor para iniciantes?

    1. Boa noite Cezar!

      Os dois telescópios são bem semelhantes e pelas descrições no site da Celestron, usam o mesmo conjunto de espelhos e tripé com poucas diferenças, não relevantes, na montagem azimutal. A grande diferença ótica entre eles é o conjunto de oculares, o Starsense com 25 mm e 10 mm, e o Explorascope com 20 mm e 4 mm. Esta medida representa a distância focal da lente utilizada para fazer a ocular, e é inversamente proporcional à ampliação. Ou seja, quanto menor a distância focal da ocular, menor a área do Céu (ou astro) vista e maior a ampliação. Em contrapartida, se essa área for muito pequena, pode tornar a busca pelo astro bem mais difícil, uma vez que você está vendo uma porção menor do Céu. Além disso, as lentes Barlow são para multiplicar a ampliação, neste caso, 2x e 3x respetivamente.

      No Planetário, quando realizamos sessões de vivência com o telescópio com o público, utilizamos o conjunto 25 mm e 10 mm, sem Barlow. A ocular maior deixa o processo de busca/posicionamento bem rápido e a menor consegue uma ampliação capaz de ver Saturno, mas com pouca definição nos anéis (parece um único anel). Em termos práticos, é como um adulto de altura média ver uma moeda de 50 centavos no chão. Geralmente não utilizamos Barlow pois esta lente, apesar de ampliar, reduz consideravelmente o brilho do astro.

      Quanto à operação, o Starsense possui um suporte para celular para auxiliar na busca dos objetos/astros através de um aplicativo. Esse aplicativo analisa o padrão de estrelas vistas no céu, provavelmente através da câmera frontal do celular, e indica a posição de vários objetos. Mas não é nada de especial, pois não há integração entre o celular e a montagem do telescópio, apenas uma indicação através de setas que surgem na tela do aparelho. Ou seja, o posicionamento é manual mesmo. Além disso, depois de duas semanas olhando para o Céu, certamente o senhor não precisará mais de aplicativos para encontrar a maioria dos astros visíveis da sua localidade. Mas é uma tecnologia muito interessante para quem não tem experiência.

      Assim como havíamos comentado na matéria acima, a montagem azimutal, apesar de mais simples e barata que a equatorial exige mais cautela na correção do posicionamento devido à rotação da Terra. Deve-se sempre corrigir nas duas coordenadas quando se acompanha um astro. Então, para um iniciante pode ser difícil, principalmente operando com oculares muito pequenas (muita ampliação).

      Veredito… Entre esses dois telescópios, para um iniciante, o Starsense é mais indicado. E ainda, pode-se comprar uma ocular de 4 mm (igual ao Explorascope) para usar quando estiver mais experiente. As oculares Celestron (e a maioria dos outros fabricantes também) são intercambiáveis.

      … mas, considere também ver alguns telescópios de montagem equatorial antes da compra. Além de mais fácil de acompanhar um astro, geralmente proporcionam uma integração mais natural com a astronomia de posição.

      Estamos sempre à disposição!

      Obrigado pelo contato,

      Equipe Planetário de Vitória.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *