Chuva de meteoros

As chuvas de meteoros são sem dúvidas um dos mais impressionantes eventos que podemos observar no céu noturno. Desde a antiguidade, elas se tornaram eventos de estudo da astronomia, o que pode ser evidenciado pelos diversos documentos que fazem referências a esse fenômeno. 

Fonte: https://acegif.com/pt/gifs-de-estrelas-cadentes/

O que são

Os meteoros são fenômenos luminosos que podem ser observados quando meteoroides, fragmentos de material sólidos como rochas e metais, passam pela atmosfera terrestre. São conhecidos popularmente como estrelas cadentes e podem ser visto de forma isolada ou associados a uma chuva de meteoros. 

 As chuvas de meteoros são resultantes da interação de quando um planeta, como a Terra, em sua órbita, atravessa uma região onde um cometa soltou em seu caminho, devido a ação do Sol, um rastro de detritos formado de gases e poeira. Ao entrar na atmosfera terrestre a velocidades altíssimas ficam incandescentes e deixam um rastro luminoso no céu, formando assim as popularmente chamadas “estrelas cadentes”.

Os meteoros são observados sempre vindo de um único ponto no céu denominado radiante,  porém como as chuvas de meteoros tendem a durar alguns dias, o radiante muda um pouco a cada dia devido ao movimento de translação da Terra. Além disso, as chuvas de meteoros são nomeadas de acordo com a constelação na qual o radiante está localizado. Caso duas chuvas compartilhem uma constelação, o nome é dado de acordo com a estrela mais próxima do radiante no pico da chuva. 

Posição do radiante da chuva de meteoros Perseidas a partir dos traços de dois meteoros. Fonte: Brocken Inaglory,  Anton (apenas desenhos).

Quando acontece

As chuvas de meteoros são periódicas, sendo observáveis anualmente e, algumas delas, se destacam dentre as demais pelas suas características. 

Quadrantídeas: é caracterizada pelas grandes bolas de fogo devido aos detritos da qual deriva serem maiores em comparação às outras chuvas. Ela é ativa entre 28 de dezembro e 12 de janeiro com pico geralmente no dia 2 ou 3 de janeiro quando podem ser visíveis entre 60 e 100 meteoros por hora, a partir do hemisfério norte. O seu radiante está localizado na constelação do Boieiro. Não pode ser observada muito bem no hemisfério sul 

Lirídeas: é ativa entre 14 e 30 de abril. A atividade é máxima nos dias 21 ou 22, quando podem ser observados até cerca de 15 meteoros por hora. Seu radiante se encontra próximo a Vega, a estrela mais brilhante da constelação da Lira. Sua observação é melhor no hemisfério norte. 

Eta-Aquarídeas: os primeiros meteoros dessa chuva, que possui seu radiante na constelação de aquário, podem ser vistos em 21 de abril e persistem até 12 de maio, sendo o pico nas noites de 4 e 5 de maio. Seus detritos derivam do famoso cometa Halley e pode ser melhor observada do hemisfério sul, de onde se pode ver cerca de trinta meteoros por hora.

Delta-Aquarídeas: Assim como a Eta-Aquarideas, possui seu radiante na constelação de aquário. Ativa entre os dias 12 de julho e 23 de agosto, mas a taxa de meteoros por hora costuma atingir o ponto máximo na madrugada de 28 para 29 de julho. É melhor observada no hemisfério sul. 

Perseídeas: a mais famosa das chuvas de meteoros, é ativa entre 17 de julho 24 de agosto. Atinge seu pico em 12 ou 13 de agosto com máximo de 50 a 75 meteoros por hora e seu radiante está localizado na constelação de Perseu.  

Orionídeas: Essa chuva de meteoros também é causada pelos detritos do Cometa Halley. É ativa entre 2 de outubro a 7 de novembro, com o pico entre os dias 20 e 22 e radiante na constelação de Orion. A taxa horária no hemisfério sul é de cerca de quarenta meteoros, enquanto no hemisfério norte é de somente vinte.

Leonídeas: essa chuva com radiante na constelação de Leão, são conhecidas por produzirem eventos que podem ser espetaculares a cada 33 anos, sendo histórico o que ocorreu entre 1833 (veja a figura). Nessas ocasiões, uma taxa espetacular de meteoros pode aparecer no céu. Esse fenômeno é melhor observado quando o cometa, de qual seus detritos derivam, está em seu periélio, ou seja, está mais próximo do Sol. Ativa entre 6 e 30 de novembro, com um pico máximo nas noites de 17 ou 18 do mesmo mês, em geral com taxa de 15 meteoros por hora. Em 2031 e 2064 está previsto que teremos taxas de impressionantes 100 meteoros por hora. 

Ilustração da Chuva de meteoros Leônidas em 1833. Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Chuva_de_meteoros

Geminídeas: Ativa entre 4 e 20 de dezembro, com o pico entre os dias 13 e 14. No hemisfério norte, durante os dias de pico, podem ser observados entre cinquenta e oitenta meteoros por hora. Já no hemisfério sul essa taxa reduz-se para vinte meteoros por hora. O radiante está localizado na constelação de gêmeos. 

Como observar

As chuvas de meteoros podem ser vistos a olho nu, porém tenha em mente que alguns fatores são necessários para que a observação seja realizada com sucesso. A poluição luminosa, o céu com presença de nuvens ou nublado e a Lua nas suas fases luminosas, podem comprometer a observação a olho nu. Além disso é necessário que o local escolhido de observação seja escuro e possua o horizonte desempedido. A melhor forma, é ficar deitado, de modo a se olhar todo o céu acomodando-se de forma confortável e aguardando de 20 a 30 minutos para que a visão se adapte ao escuro para poder observar o fenômeno da melhor forma possível. Utilizar câmeras fotográficas com função de registro de tempo também é uma boa opção, caso queria registrar o momento.  

Organizações e projetos

As chuvas de meteoros atraem diversos entusiastas e, em 1988, foi fundada a Organização Internacional de Meteoros. É uma associação de astrônomos amadores que se dedica a incentivar e coordenar atividades de observação de chuvas de meteoros em todo o mundo e fornece matérias relacionadas às descobertas e análises sobre meteoros. O site da organização conta com diversos registros de pessoas de diversos locais o planeta, que contribuem com informações relacionadas ao assunto, além de conter o calendário das chuvas de meteoros, onde dadas informações como sua duração, radiante com coordenadas, dia de pico da chuva e diversas outras informações detalhadas. No Brasil temos duas redes de monitoramento sem fins lucrativos de meteoros: a EXOS e a BRAMON. Elas trabalham produzindo e fornecendo dados científicos à comunidade, através da análise de suas capturas e registro de meteoros, além de fornecerem incentivo a produção de artigos científicos. 

Links dos sites caso queira saber mais sobre os projetos: 

Organização Internacional de Meteoros: https://www.imo.net 

EXOS: https://press.exoss.org 

BRAMON: http://www.bramonmeteor.org 

 

Alguns esclarecimentos sobre o cometa C/2020 F3 (NEOWISE)

 Alguns esclarecimentos sobre o cometa C/2020 F3 (NEOWISE):     

23 de julho de 2020

 

Conforme vem sendo informado, existe a previsão de que o cometa NEOWISE (denominado pelos astrônomos de C/2020 F3) possa ser observado no Espírito Santo, a olho nu, a partir do dia 22 de julho de 2020, até cerca do final do mês.

O cometa estará visível durante pouco tempo, bem no início da noite, após às 18 h e antes das 19 h, bem baixo, próximo do horizonte noroeste, na constelação da Ursa Maior.

Contudo, é importantíssimo notar que, para conseguir, de fato, ver o cometa a olho nu, há algumas condições bastante limitantes:

 

  1. O tempo deve estar bom, em especial, sem nuvens na direção do horizonte noroeste (a meio caminho entre o norte e o oeste, à direita de um observador que estiver de frente para o oeste);

 

  1. A observação deve ser feita de um local em que o horizonte noroeste seja desimpedido, sem prédios ou árvores na frente, pois o cometa aparecerá muito baixo no céu, e antes das 19 h já terá se escondido no horizonte;

 

  1. O local de observação deve ter um céu bem escuro, de preferência longe da cidade, pois a luz de qualquer centro urbano produz o que podemos chamar de “poluição luminosa”, que impede que vejamos objetos com pouco brilho, sendo que, no presente caso, a previsão é de que o cometa Neowise apresente, nos próximos dias, uma magnitude em torno de 4, que está no limite da visibilidade de um objeto num céu urbano (a “magnitude” é uma medida usada pelos astrônomos para especificar o brilho de um objeto: quanto maior a magnitude, menos brilhante ele é).

Se o observador tiver a sorte de estar no horário certo, num local de céu escuro, horizonte noroeste desimpedido e o tempo não estiver nublado, haverá uma boa chance de conseguir ver o cometa. Se esse observador puder contar, ainda, com um binóculo para ajudar na visualização, será bem melhor.

Outro ponto importante a esclarecer é a diferença que há entre um cometa e um meteoro:

– Um cometa é um objeto que, em geral, como o NEOWISE, passa a milhões de quilômetros de distância da Terra e, por isso, parece “parado” no céu com relação às estrelas, com o aspecto de uma estrela meio difusa, nebulosa, com uma cauda que, às vezes, se torna visível. Apenas lentamente, de um dia para o outro, percebemos o seu deslocamento com relação às estrelas. Ele não se move rápido no céu!

– Já um meteoro é um pequeno fragmento de rocha que vem do espaço e cai na Terra, é um fenômeno que acontece perto de nós, na atmosfera da Terra. Devido à altíssima velocidade dessa sua queda, o meteoro sofre um grande atrito com o ar, se aquece e fica incandescente, movendo-se muito rápido, deixando um rastro luminoso no céu que só dura segundos ou fração de segundos. É o fenômeno que, popularmente, é chamado de “estrela cadente”. Alguns meteoros resistem à queda e, quando são encontrados no chão, são denominados “meteoritos”.

Sérgio M. Bisch
Depto. de Física da UFES
Diretor Técnico-Científico do Planetário de Vitória
E-mail: sergiobisch@gmail.com
Tel.: 27-99933.7303

 

Referências:

WIKIPEDIA, página em português sobre o cometa C/2020 F3 (NEOWISE). Disponível em:  <https://pt.wikipedia.org/wiki/C/2020_F3_(NEOWISE)>. Acesso em 21j jul. 2020.

REA (Rede de Astronomia Observacional), página sobre a visibilidade do cometa C/2020 F3 (NEOWISE). Disponível em: <http://rea-brasil.org/cometas/2020f3.htm>. Acesso em 21 jul. 2020.

 

Dicas de Astronomia Amadora: meu primeiro telescópio.

Querendo iniciar na Astronomia Amadora? Aproveite as dicas do Planetário de Vitória!

Existem, basicamente, dois tipos de telescópios: Os Refratores, que usam várias lentes para fazer a ampliação/aproximação da imagem e os Refletores, que usam um grande (e pesado) espelho côncavo para isso. Na verdade, os telescópios refletores também usam uma pequena lente (às vezes mais) para correção da imagem formada, chamada de ocular. Os grandes telescópios de pesquisa são Refletores.

Diferença ótica entre telescópios refratores e refletores.

Com o espelho, as imagens são menos destorcidas, muito mais nítidas e praticamente não apresentam o fenômeno de aberração cromática (aquelas luzes coloridas que aparecem na imagem que sabemos que não existem daquela forma no objeto observado). Esse fenômeno aparece nas bordas das lentes, naturalmente, assim como um arco-íris se forma quando a luz do sol atravessa gotículas de água. Então quanto mais lentes (Refrator), maior a probabilidade de ver o fenômeno. Também se consegue mais qualidade com um Refletor, pois é mais fácil produzir um espelho grande do que uma lente grande. Isso porque quanto mais luz entra no telescópio, maior qualidade de imagem, e consecutivamente, maior possibilidade de ampliação. Nós do Planetário de Vitória utilizamos telescópios Refletores nas nossas sessões de Vivência com o Telescópio.

Telescópio refletor (espelhos) com montagem equatorial.

  

Telescópio refrator (lentes) com montagem equatorial.

Porém, há um grande problema nos telescópios Refletores: o preço. É claro que existem telescópios Refratores tão caros, ou mais, que os Refletores. Mas, os mais baratos (de boa qualidade) já ultrapassam os R$ 1.000,00 no mercado nacional (jul/2020).

Mas os Refratores têm uma grande vantagem. Como todas as lentes são fixas no bloco ótico durante o processo de fabricação, dificilmente o telescópio perderá sua colimação (alinhamento ótico). Por exemplo, devido ao uso e transporte, nós do Planetário devemos conferir as regulagens dos nossos telescópios pelo menos uma vez por mês.

Telescópio refletor com montagem azimutal (Dobsoniano)

Se puder, compre um com a montagem equatorial, ao invés da azimutal. Com a montagem equatorial é mais fácil acompanhar um astro devido ao movimento de rotação da Terra. Procure também por lojas especializadas. Normalmente elas trabalham com marcas de fácil reposição de peças. Outra dica valiosa: Quanto mais pesado o conjunto do telescópio (tripé + montagem + tubo/bloco ótico), mais estável e consecutivamente melhor de se manusear durante uma observação.